Marcha da Maconha SP 2018

Marcha da Maconha SP 2018

No último dia 26 de Maio a galera do Dr Banz esteve presente na Marcha da Maconha de São Paulo! Em sua 10ª edição, a Marcha da Maconha levou milhares de pessoas à Av Paulista, principal avenida da maior cidade do país, sem a mínima cobertura dos canais de mídia aberta.

Isso mostra a força do movimento que se organiza e se comunica através das redes sociais e reuniu diversos grupos que lutam pelo direito de usar a maconha como medicação para o tratamento de seus males de saúde e também os que reivindicam a liberdade em escolher o que consumir, sem repressão da sociedade ou das leis que nos regem.

Foi um enorme prazer conversar pessoalmente com vários de vocês (banzers como nós!) e falar de nosso projeto, nossas ambições e principalmente ouvir o que vocês pensam e como podemos contribuir, independente de qual seja a frente, “medicinal” junto às associações de pais e pacientes ou “social/ recreativa” junto à galera que compareceu!

Vejam abaixo algumas fotos do evento.

 

A origem da Marcha da Maconha

A mobilização a favor da liberação da maconha teve seu início graças ao ativista Dana Beal, um dos principais organizadores da primeira Global Marijuana March (Marcha Mundial pela Marijuana), ocorrida em 07 de maio de 1990 em Nova York.

As publicações da Cannabis Culture Magazine também foram fundamentais para divulgar as notícias e os objetivos da Marcha pelo mundo.

A Marcha da Maconha é, sobretudo, uma celebração da liberdade de expressão relacionada à cultura da cannabis e às opções individuais de cada um.

Desde 1990, já ganhou versões em 80 países no mundo e em mais de 870 cidades. Atualmente, acontecem cerca de 420 marchas pelo mundo, sendo cerca de 42 delas só no Brasil!

A Marcha pela legalização da maconha no Brasil

No Brasil, o movimento anti-proibicionista começou ao final da ditadura militar, nos anos 80, com alguns levantes e protestos, mas sem grande repercussão nacional.

Em 2002 aconteceu, oficialmente, a primeira Marcha da Maconha no Brasil, que reuniu mais de 800 pessoas – convidadas a partir de papéis de sedas carimbadas com as informações da Marcha e distribuídas no Posto 9, no Rio de Janeiro. Diferentemente das décadas anteriores, para alegria geral, não houve repressão policial.

A Marcha se repetiu em algumas cidades brasileiras, mas apenas em 2007, foi criada a identidade ao movimento, concentrando os objetivos e promovendo a discussão sobre a cultura cannábica. Com isso, no ano seguinte foram organizadas as Marchas em 12 capitais brasileiras, mas decisões judiciais as definiram como criminosas por “fazerem apologia às drogas”.

Essa repressão da justiça se manteve de 2008 até 2011, quando uma tentativa de Marcha em SP provocou uma truculenta resposta policial, fazendo com que, finalmente, o STF (Supremo Tribunal Federal) decidisse quanto à legitimidade das manifestações.

Ainda que vagarosamente, o debate da legalização da maconha avança em diversos aspectos. Apontada como uma possível solução à violência gerada pelo tráfico, o plantio da cannabis para consumo medicinal ou social/recreativo é uma ideia recorrente e defendida pelo movimento.

Você esteve na Marcha em São Paulo? Conversou conosco? Adquiriu nossa maravilhosa shoulder bag de tecido de cânhamo + algodão orgânico? Poste fotos e marque o @doctorbanz!

De coração, nosso muito obrigado à todos que pararam para nos ouvir, compartilharam ideias, dores e necessidades. Saibam que o Dr Banz estará firme e forte ao lado de vocês e de todos os movimentos cannábicos, juntos por um único ideal, termos a liberdade de escolher o que queremos de melhor para nossas vidas!

Banzai!

X
Add to cart