Óleo de CBD nos esportes (Big3)

CBD – Óleo de CBD será permitido na liga BIG3

No mês de junho de 2018, a liga de basketball 3-on-3 (BIG3), anunciou que seria a primeira liga de esportes profissionais nos Estados Unidos a permitir o uso do óleo de CBD para o controle de dores musculares e ósseas de seus atletas.

Normalmente atletas da BIG3 são ex-jogadores da NBA. Portanto, são astros do passado como Chauncey Billups, Mike Biby, Nate Robinson, entre outros veteranos.

No início desse ano o CBD foi retirado da lista de substâncias proibidas da WADA (World Anti Dopping Agency, maior autoridade mundial no controle do dopping esportivo). Contudo, o CBD continua banido de todas as outras ligas por seus regulamentos e não pela regulamentação do órgão máximo.

No segundo ano de operações da liga BIG3, a medida é de caráter instantâneo e definitivo já para a competição desse ano. Vale lembrar que o THC continua banido da lista da WADA.

A BIG3 foi fundada pelo executivo Jeff Kwatinetz e o rapper + ativista cannábico, Ice Cube.

Quem aqui curte esportes, sabe quantos dias aquela pancada, ou aquele último pique podem custar para melhorar. Porque não permitir o alívio das dores e um tratamento mais efetivos a atletas profissionais?

Dr Banz nas quadras, campos e pistas! Acima de tudo, óleo de CBD para o tratamento de dores de maneira efetiva!

Banzai !!!

Shoulder Bag de Cânhamo do Dr. Banz

Epidiolex

Epidiolex, primeiro medicamento derivado de cannabis aprovado pelo FDA

25 de junho de 2018 será para sempre um marco histórico na vida de muitas pessoas, já que foi aprovado pelo FDA (Food & Drugs Administration, o poderoso órgão federal americano que dita as regras sobre quais medicamentos e alimentos receberão (ou não) autorização para comercialização), o primeiro medicamento produzido a partir da Cannabis, o Epidiolex.

Trata-se de uma solução oral que utiliza o CBD (Canabidiol), um composto encontrado na Cannabis que não tem efeito psicoativo, para o tratamento de duas formas muito raras de epilepsia, síndromes de Lennox-Gastaut e Dravet.

Em 3 estudos científicos que envolveram mais de 500 pacientes, o medicamento mostrou redução efetiva na frequência de convulsões associadas a essas patologias. Ainda que o FDA precise reclassificar o CBD como uma substância fora da lista Schedule I (leia em nosso blog “Porque a maconha não recebe fundos para pesquisas científicas?” http://drbanz.com.br/2018/04/29/fundos-de-pesquisa/ ) antes do Epidiolex chegar às prateleiras, o fabricante GW Pharmaceuticals diz que os pacientes terão acesso a medicação a partir do segundo semestre de 2018.

Justin Gover, CEO da GW Pharmaceuticals, disse: “O sinal verde dado pelo FDA, coroa todo o esforço feito pela companhia para produzir e oferecer ao mercado cada vez mais produtos derivados de cannabis. Finalmente temos um caminho mais concreto diante de nós. É o sinal que a ciência cannábica chegou!”.

Epidiolex Cannabidiol
Epidiolex Cannabidiol

O FDA ainda mantém algumas reservas com a planta, como parte de uma política acirrada na proibição da cannabis, já que cada um dos compostos da planta é classificado como “sem fundamento científico”. Isso tudo pode estar mudando muito devagar, começou com o Epidiolex, e agora o DEA (Drug Enforcement Agency, a agência americana reguladora de narcóticos), tem até 90 dias para reclassificar o CBD em uma outra categoria de substância para que médicos possam finalmente prescrevê-la e beneficiar crianças e adultos que poderão tratar suas patologias de maneira mais efetiva.

Para o Dr Banz esse é um momento único, sempre acreditamos nos benefícios medicinais da cannabis e divulgamos para que cada vez mais pessoas que precisam ou querem saber mais sobre o assunto, saibam sempre onde encontrar.

Continue ligado, acompanharemos as notícias mais recentes que aparecerão sobre esse assunto para que Banzers de todos os lugares que nos acompanham, possam se atualizar e multiplicar o conhecimento, quem sabe até levando uma pontinha de esperança, até que ela alcance e ajude quem realmente precisa!

Banzai!

Você sabe o que é CBD?

CBD o cannabinóide mais promissor do ponto de vista médico

Você sabe o que é 0 canabidiol (CBD)?

Primeiramente, precisamos dizer que o Canabidiol é um composto químico proveniente da planta Cannabis Sativa.
Isso você provavelmente já sabia. A evidência médica sugere que a planta é segura e possui múltiplas indicações benéficas no uso medicinal.

Também é importante salientar que o CBD não possui efeitos psicoativos, ou seja, não chapa, não dá brisa. O ingrediente psicoativo da cannabis é o Tetrahidrocannabinol, o famoso THC. Tanto o CBD como o THC são compostos químicos conhecidos como canabinnóides.

Até agora o CBD é considerado o cannabinóide mais promissor do ponto de vista médico e de marketing. Estudos científicos mostram que o CBD possui propriedades anti-inflamatórias, analgésicas e antipsicóticas.

Algumas das doenças tratadas pelo CBD são: Epilepsia, Alzheimer, Esclerose Múltipla, Doença de Chron, Esquizofrenia, dentre outras. O CBD ainda promove a redução da intensidade de sintomas de quimioterapia em pacientes com câncer, dores musculares crônicas e até nas cólicas pré menstruais!

Da mesma forma que o THC, o CBD aparenta ser bem tolerado e não há registros na história sobre overdose de nenhuma dessas substâncias. Ou seja, seu uso é mais seguro do que muitos medicamentos que vemos por aí.

A verdade é que enquanto muitos tratamentos com medicamentos tradicionais não promovem a melhoria na condição do paciente, a utilização do óleo de CBD já demonstrou efeitos surpreendendo muitos pais de pacientes infantis, que nunca viam melhoras na saúde de seus filhos.

Pacientes adultos que após receberem a medicação à base de Cannabidiol, tem sua condição estabilizada.
E depois melhorada, permitindo que retomem o controle de suas vidas.

Abra sua mente!

O Dr Banz divulga os benefícios medicinais que a cannabis pode promover. É só através do debate consciente e baseado em informação e conhecimento, que poderemos contribuir para estimular cada vez mais pessoas a entenderem a legalização do uso medicinal.

Banzai!

Óleo de CBD
Óleo de CBD
Cannabis no combate à doença de Alzheimer

Cannabis no combate à doença de Alzheimer

“Um trago por dia pode manter o Alzheimer longe”, diz pesquisador de cannabis.

A cannabis pode ser um tratamento efetivo no combate a doença de Alzheimer, disse o Dr. Gary Wenk da Universidade do Estado de Ohio.

Isso porque o Alzheimer está ligado a uma inflamação no cérebro e a cannabis tem propriedades anti inflamatórias bem conhecidas. Segundo essa pesquisa do Dr. Wenk, o diagnóstico precoce da inflamação no cérebro pode determinar se a pessoa desenvolverá ou não Alzheimer com quase 40 anos de antecedência.

“A inflamação cerebral acontece naturalmente quando as pessoas envelhecem ou são induzidas por trauma ou acidente.”

Portanto, atletas ou pessoas comuns que receberam um impacto forte na cabeça, deveriam procurar pelos benefícios da cannabis medicinal hoje para desacelerar os persistentes efeitos de suas contusões no futuro.

Até em baixas doses (como um trago/ pega por dia), a inflamação cerebral foi reduzida, observou o Dr. Wenk em sua pesquisa realizada com ratos no laboratório da universidade.

O resultado dessa pesquisa fez o médico pesquisador questionar, “Porque os pacientes que passaram por acidentes de carro, não recebem cannabis para fumar e assim reduzir a pressão e por consequência a inflamação cerebral?”

Cannabis X Cérebro

Fonte: https://420intel.com/articles/2018/05/29/puff-day-can-keep-alzheimers-away-says-cannabis-researcher-0?utm_source=420+Intel+-+Marijuana+Industry+News&utm_campaign=28e2059f64-420+Intel&utm_medium=email&utm_term=0_3210cbef52-28e2059f64-278277101

Maconha X Álcool X Tabaco

Maconha X Álcool X Tabaco

Estudo confirma: Álcool e Tabaco são muito mais perigosos que cannabis

Certamente, algumas substâncias “legais” são muito mais nocivas para a saúde do que as “ilegais”. A revisão global sobre os dados de uso de substâncias, apontou que álcool e tabaco são muito mais perigosas. Mais perigosas do que todas as drogas ilícitas.

De acordo com o estudo “Global Statistics on Alcohol, Tobacco and All Ilicit Drugs Use: 2017 Status Report”, (Relatório 2017: Estatísticas Globais do Uso de Álcool, Tabaco e Todas as Drogas Ilícitas), compila dados do Instituto de Avaliação de Métricas de Saúde, do Escritório de Drogas & Crime da ONU e da OMS (Organização das Nações Unidas e Organização Mundial da Saúde), para avaliar os efeitos de substâncias viciantes, no bem estar das pessoas e sua expectativa de vida.

Analisando os capítulos desse estudo conclui-se que a Europa é o maior centro de consumo de tabaco e álcool. De fato, 50% da população bebe regularmente e 20% de todo continente europeu fuma tabaco. O leste europeu é a região mais afetada.

Os pesquisadores concluíram que “Europeus são os que mais sofrem dos males do álcool e tabaco e a maior taxa de mortalidade foi encontrada em países de grandes populações com renda média baixa.”

O outro lado da moeda

Por outro lado (com menos de 1 pessoa entre 20, admitindo o uso), avaliando uso difundido e seus males, estão substâncias ilegais como:

  • opióides;
  • cocaína;
  • anfetaminas;
  • cannabis

Europa e América do Norte, apresentaram os maiores índices de uso e dependência. Os pesquisadores concluíram que por serem regiões com informações e infraestrutura mais robustas sobre o tema, podem mascarar índices mais elevados quando comparados com países com pouca ou nenhuma base de dados.

É provável que países com baixas taxas de uso de cannabis são consequências do status legal da erva. Os Estados Unidos e o Canadá lideram o ranking mundial de uso de cannabis.

Fonte: https://420intel.com/articles/2018/05/29/study-confirms-alcohol-and-tobacco-are-way-more-dangerous-cannabis

Shoulder Bag de Cânhamo do Dr. Banz

Conduta Não Apropriada - Suzeanne Brill

Conduta não apropriada

Família de Suzeanne e Mathew Brill perdeu a guarda de seu filho por dar MACONHA para tratar convulsões.

No último mês de abril de 2018, a Divisão dos Serviços da Família e da Criança do estado da Georgia nos Estados Unidos, tirou a guarda do filho de Suzeanne e Mathew Brill depois que o xerife local os prendeu por darem maconha a seu filho.

E eles não negaram a acusação.

“Nós admitimos abertamente à equipe policial presente”, disse Mathew Brill. O filho dele (que não teve seu nome divulgado por se tratar de um menor de idade), foi levado a um abrigo até que a situação se esclareça no tribunal, onde responderão por conduta não apropriada.

Mathew e Suzeanne afirmaram não serem pais ruins. Apenas faziam o que estava ao alcance deles para as frequentes crises de convulsão sofridas pelo garoto. “As crises acontecem 24 horas por dia, 7 dias por semana”, afirmaram.

Após tentarem diversas medicações e até óleo de cannabis, sem resultados satisfatórios, os pais decidiram dar maconha para que o garoto fumasse num cachimbo de vidro. “Eu sei de onde vem minha erva, conheço e confio nos meus contatos. Carreguei o cachimbo, fumei primeiro, pus em cima da mesa e disse: “Sua escolha”. Não o forcei a fumar.”

Os pais reconheceram que o garoto vinha fumando frequentemente, mas, segundo eles, as crises reduziram consideravelmente e o garoto pretendia voltar às aulas. Mathew e Suzeanne Brill estão sendo processados e o garoto vive hoje num abrigo onde a justiça determinou ser mais seguro para ele.

Nós do Dr Banz acreditamos nos benefícios da cannabis medicinal. Falamos sobre o uso terapêutico e a importância da regularização para os pacientes que precisam e dependem desse tratamento. Portanto se esse for o caminho a ser seguido, que seja com acompanhamento médico. Seguindo a prescrição específica para sua patologia.

Conduta Não Apropriada

Fonte:https://420intel.com/articles/2018/05/28/georgia-family-loses-custody-son-after-giving-him-marijuana-treat-seizures?utm_source=420+Intel+-+Marijuana+Industry+News&utm_campaign=f59de798d7-420+Intel&utm_medium=email&utm_term=0_3210cbef52-f59de798d7-278277101

Maconha X Antibióticos

Maconha X Antibióticos

Todos sabem que não se deve ingerir bebida alcóolica enquanto estiver sob tratamento de antibióticos, certo? O álcool interfere na eficácia do medicamento e o tratamento pode ser ineficaz, mas… e a maconha?

Maconha X Antibióticos

Terry Roycroft, presidente da Medicinal Cannabis Resource Centre Inc. (Centro de Recurso de Cannabis Medicinal – MCRCI), que é um estudioso da maconha e seus efeitos há mais de dez anos e um apaixonado em aumentar o conhecimento público da planta, disse que “a utilização de maconha durante um tratamento com antibióticos pode não ser tão prejudicial como as pessoas pensam”. E complementou: “Existem uma série de interações medicamentosas para inúmeras coisas do nosso cotidiano, cafeína por exemplo, tem aproximadamente 82 interações com outras drogas e algumas dessas interações vão de moderadas à severas.”

Uma fruta conhecida como grapefruit (no Brasil conhecida como “toranja”),  tem um potencial altíssimo de interação com outros medicamentos, incluindo antibióticos usados para tratar infecções respiratórias, gástricas dentre outras.

“Na realidade comecei a observar as interações da grapefruit como guia para aprender sobre as interações da cannabis”, disse Roycroft. “O que se sabe hoje é que existem poucas interações com a cannabis, quaisquer interações identificadas hoje com ela são consideradas leves, e o mais interessante é que já existem alguns médicos pesquisando se antibióticos funcionam melhor com cannabis!”

A enfermeira especializada em cannabis medicinal, Jessie Gill, disse que: “alguns antibióticos podem potencialmente interagir com a cannabis”.

“A maconha inibe uma enzima específica no fígado, o citocromo P450, que é uma enzima onde muitos medicamentos são metabolizados, incluindo os antibióticos”.

“Isso significa que ao associar maconha + medicamentos, os efeitos das medicações serão aumentados, consequentemente, você terá maiores chances de experimentar os efeitos colaterais e reações adversas dos antibióticos.”

“Por exemplo, quando tratamos alguém que usa medicamentos para dor e inserimos a cannabis no tratamento, normalmente reduzimos a dose do antibiótico em 50% imediatamente e o paciente terá os mesmos resultados e reações que teriam se estivessem tomando a dose plena da medicação.”

Afinal, você deve fumar maconha enquanto estiver tomando antibióticos?

Terry Roycroft sumariza: “No Centro de Recurso de Cannabis Medicinal, nós temos pacientes tomando antibióticos e nós não dizemos para que eles interrompam o seu consumo de cannabis. Não há grandes problemas em misturar antibióticos e cannabis, mas você poderá experimentar efeitos colaterais da medicação de uma maneira mais acentuada.”

Em algumas situações, os médicos usarão o que sabem sobre as interações da grapefruit como guia para cannabis. Se houver alguma contra indicação com grapefruit, você não poderá associar a medicação prescrita com maconha.

Se você ainda tiver dúvidas, pergunte ao seu médico qual a recomendação dele, o aconselhamento médico deve sempre vir de um profissional.

Fonte: https://420intel.com/articles/2018/05/25/can-you-smoke-marijuana-while-taking-antibiotics?utm_source=420+Intel+-+Marijuana+Industry+News&utm_campaign=dadfa2d81c-420+Intel&utm_medium=email&utm_term=0_3210cbef52-dadfa2d81c-278277101

Shoulder Bag de Cânhamo do Dr. Banz
Shoulder Bag de Cânhamo do Dr. Banz
Marcha da Maconha Santo André 2018

Marcha da Maconha Santo André 2018

No dia 02 de junho a galera do Dr Banz esteve presente na Marcha da Maconha de Santo André! Foi muito positivo ver a movimentação da galera, que se organizou, se reuniu e protestou pela liberdade em escolher o que é melhor para si mesmo sem receio de repressão, preconceito da sociedade e principalmente respeitando para ser respeitado!

A Marcha rolou com tranquilidade sem nenhum problema, antes do bloqueio da rua, a polícia passou, viu que estavam todos tranquilos, sem algazarra e sem tumulto. As pessoas foram chegando após às 14hs e aos poucos iam se agrupando para aquele BANZA de respeito que teve o peso do grito da legalização que todos nós carregamos no peito!

Teve música, (rolaram diversos sons que falavam diretamente com a ocasião: “Legalize Já (Planet Hemp)”, “Legalize It! (Peter Tosh)”, “Smoke Two Joints (Sublime)”, dentre muitos outros…), teve arte (com a galera grafitando ao vivo enquanto a concentração da Marcha ia crescendo), teve política (com gritos de legalização para o uso medicinal e social/ recreativo) e teve moda (com a Dr Banz Shoulder Bag de cânhamo + algodão!), ou seja, uma manifestação pacífica, com posicionamento político definido e principalmente alto esclarecimento cultural!

 

A Marcha da Maconha é o nosso momento de valorizar a cultura cannábica, celebrar a MACONHA e todos os aprendizados que ela nos traz e principalmente lutar pelos nossos direitos! Somente se nos unirmos e nos organizarmos cada vez mais, teremos a chance de mostrar a força do movimento, alertando para os benefícios que a legalização pode proporcionar aos pacientes que fazem uso de cannabis medicinal e também a todos do uso social, portanto, marque aquele seu amigo que curte um banza, mas não saiu do armário e perdeu a chance de participar de um evento tão bacana como a Marcha da Maconha.

Seja na Av. Paulista, no ABC de SP, em outros estados, ….é um evento histórico e faz muito bem quem participa e apóia o movimento de legalização da cannabis em todo o Brasil!

Conversou conosco na Marcha? Adquiriu sua Shoulder Bag? Descolou seu adesivo do Dr Banz? Brisou conosco? Marque o @doctorbanz e siga nossos posts, vem muita coisa bacana por aí!

Banzai!

Marcha da Maconha SP 2018

Marcha da Maconha SP 2018

No último dia 26 de Maio a galera do Dr Banz esteve presente na Marcha da Maconha de São Paulo! Em sua 10ª edição, a Marcha da Maconha levou milhares de pessoas à Av Paulista, principal avenida da maior cidade do país, sem a mínima cobertura dos canais de mídia aberta.

Isso mostra a força do movimento que se organiza e se comunica através das redes sociais e reuniu diversos grupos que lutam pelo direito de usar a maconha como medicação para o tratamento de seus males de saúde e também os que reivindicam a liberdade em escolher o que consumir, sem repressão da sociedade ou das leis que nos regem.

Foi um enorme prazer conversar pessoalmente com vários de vocês (banzers como nós!) e falar de nosso projeto, nossas ambições e principalmente ouvir o que vocês pensam e como podemos contribuir, independente de qual seja a frente, “medicinal” junto às associações de pais e pacientes ou “social/ recreativa” junto à galera que compareceu!

Vejam abaixo algumas fotos do evento.

 

A origem da Marcha da Maconha

A mobilização a favor da liberação da maconha teve seu início graças ao ativista Dana Beal, um dos principais organizadores da primeira Global Marijuana March (Marcha Mundial pela Marijuana), ocorrida em 07 de maio de 1990 em Nova York.

As publicações da Cannabis Culture Magazine também foram fundamentais para divulgar as notícias e os objetivos da Marcha pelo mundo.

A Marcha da Maconha é, sobretudo, uma celebração da liberdade de expressão relacionada à cultura da cannabis e às opções individuais de cada um.

Desde 1990, já ganhou versões em 80 países no mundo e em mais de 870 cidades. Atualmente, acontecem cerca de 420 marchas pelo mundo, sendo cerca de 42 delas só no Brasil!

A Marcha pela legalização da maconha no Brasil

No Brasil, o movimento anti-proibicionista começou ao final da ditadura militar, nos anos 80, com alguns levantes e protestos, mas sem grande repercussão nacional.

Em 2002 aconteceu, oficialmente, a primeira Marcha da Maconha no Brasil, que reuniu mais de 800 pessoas – convidadas a partir de papéis de sedas carimbadas com as informações da Marcha e distribuídas no Posto 9, no Rio de Janeiro. Diferentemente das décadas anteriores, para alegria geral, não houve repressão policial.

A Marcha se repetiu em algumas cidades brasileiras, mas apenas em 2007, foi criada a identidade ao movimento, concentrando os objetivos e promovendo a discussão sobre a cultura cannábica. Com isso, no ano seguinte foram organizadas as Marchas em 12 capitais brasileiras, mas decisões judiciais as definiram como criminosas por “fazerem apologia às drogas”.

Essa repressão da justiça se manteve de 2008 até 2011, quando uma tentativa de Marcha em SP provocou uma truculenta resposta policial, fazendo com que, finalmente, o STF (Supremo Tribunal Federal) decidisse quanto à legitimidade das manifestações.

Ainda que vagarosamente, o debate da legalização da maconha avança em diversos aspectos. Apontada como uma possível solução à violência gerada pelo tráfico, o plantio da cannabis para consumo medicinal ou social/recreativo é uma ideia recorrente e defendida pelo movimento.

Você esteve na Marcha em São Paulo? Conversou conosco? Adquiriu nossa maravilhosa shoulder bag de tecido de cânhamo + algodão orgânico? Poste fotos e marque o @doctorbanz!

De coração, nosso muito obrigado à todos que pararam para nos ouvir, compartilharam ideias, dores e necessidades. Saibam que o Dr Banz estará firme e forte ao lado de vocês e de todos os movimentos cannábicos, juntos por um único ideal, termos a liberdade de escolher o que queremos de melhor para nossas vidas!

Banzai!

Cannabis University

Cannabis University

Em países mais desenvolvidos que o Brasil, a indústria canábica se move a passos largos para a modernização e principalmente a profissionalização das pessoas que atuam no business. Pensando na constante capacitação técnica, algumas universidades americanas lançaram cursos relacionados a especialização em “Plantas Medicinais”, muitos deles reconhecidos pelos órgãos legais e com certificado de conclusão!

Pode parecer loucura, mas para entender melhor tudo isso, vamos imaginar a cena canábica local que exige profissionais de vanguarda, antenados na onda de informações, materiais e técnicas para melhores resultados.

Você pode estar se perguntando: “Mas onde um formando em plantas medicinais vai trabalhar?”, quem responde é Mark Paulsen, reitor da Universidade Northern Michigan: “O curso foi desenhado para preparar os alunos para o sucesso em indústrias emergentes relacionadas ao plantio de ervas medicinais, análises e distribuição. O conhecimento e técnica adquiridos são aplicáveis na indústria canábica, mas também expande horizontes na área de produtos naturais e numa maior variedade de oportunidades profissionais”.

Para os alunos, um diploma em Plantas Medicinais pode ser o ingresso em um emprego num dispensário ou num laboratório de análises, assegurando a qualidade de diversas “strains”, (variedades), de cannabis. O aluno James Haveman disse: “Muitos estados americanos estão em vias de legalizar a maconha e estão procurando profissionais de qualidade para garantir que tudo ocorra bem na Química e na Ciência do business”, e concluiu: “E é responsabilidade da universidade capacitar esse tipo de alunos para esse tipo de indústria”.

O estado de Michigan descriminalizou o uso medicinal da maconha em 2008, num esforço para assegurar a qualidade dos produtos fabricados e comercializados em seu estado, o Governador Rick Snyder, assinou uma lei que define um conjunto de diretrizes para medir os poluentes e substâncias contaminantes no óleo de CBD (canabidiol) produzido.

Laboratórios particulares entraram em cena para aferir e assegurar a qualidade da cannabis medicinal de Michigan e aí entram em cena os profissionais que estão sendo capacitados na universidade local e podem ser contratados para realizar essa tarefa. Um desses laboratórios de análise foi o “The Spot”, da empreendedora canábica Linda Palmatier, que declarou: “Nossa busca é sermos os melhores entre os melhores e por isso estamos contratando os melhores alunos, temos os mais modernos equipamentos do Estado e com certeza do país também. É importantíssimo que os produtos sejam testados apropriadamente”.

Um dos professores do curso ministrado na Northern Michigan University, Dr. Lesley Putman concluiu: “Nossos alunos estão capacitados a administrarem um dispensário de cannabis, um laboratório de análises, ou uma combinação dos dois”.

Até quando a hipocrisia, o comodismo e a influência de interesses terceiros, bloqueará o acesso ao uso da cannabis medicinal impedindo pessoas em se capacitar, se especializar, estudar, descobrir sua vocação e até mesmo se tratar de maneira eficaz?

Universidades Canábicas… a princípio nem conseguimos imaginar como isso funcionaria em nosso país, mas após saber de sua existência começamos a enxergar o quão distantes estamos dessa realidade.

Estudos canábicos

Conheça algumas universidades que oferecem cursos canábicos:

https://www.nmu.edu/chemistry/medicinal-plant-chemistry
https://oaksterdamuniversity.com/
https://cannabistraininguniversity.com/

Banzai!

X
Add to cart