Canabinóides mais importantes

Canabinóides mais importantes

Até hoje pesquisadores já identificaram mais de 421 elementos químicos, sendo 63 tipos de canabinóides diferentes que exercem influência específica dentro do organismo de cada pessoa.

Independente de qual seja o uso da cannabis, social ou medicinal, algumas substâncias encontradas na erva possuem maior ou menor participação no efeito desejado. São os famosos canabinóides. Vamos conhecer os mais famosos?

CBD X THC
CBD X THC

THC (TETRAHIDROCANABINOL)

Tetrahidrocanabinol, o mais conhecido dos canabinóides por seu efeito psico ativo, pode proporcionar alterações fisiológicas (frequência cardíaca, pressão arterial, boca e garganta seca, aumento do apetite, dentre outros) e comportamentais (relaxamento, euforia, percepção do tempo, humor, etc…).

Saúde: por ter atuação no sistema nervoso central, o THC se liga a receptores canabinóides que todos nós possuímos (CB1 e CB2) e pode contribuir na amenização de dor crônica, de espasmos musculares causados por esclerose múltipla, além de reduzir náusea e vômitos causados por quimioterapia.

CBD (CANABIDIOL)

O Canabidiol não possui efeito psicoativo, mas em sua forma isolada já demonstrou evidências que possui efeito fisiológico pronunciado, promovendo relaxamento e efeito sedativo. Com isso seu efeito terapêutico é amplamente discutido pois promove melhora em uma série de doenças como epilepsia, artrite reumatoide, Parkinson, insônia dentre muitas outras.

CBN
CBN

CBN (CANABINOL)

O Canabinol possui efeito psicoativo de menor intensidade isoladamente, mas quando em companhia de outros canabinóides, por exemplo, potencializa os efeitos do THC, causando a famosa “leseira” (torpor) e baixa sedação. Também potencializa os efeitos do CBD, aumenta seu efeito sedativo, já demonstrou potencial no tratamento da Esclerose Lateral Amiotrófica (ELA) e na proliferação de algumas bactérias resistentes a antibióticos.

THCA X THC
THCA X THC

THCA (ÁCIDO TETRAHIDROCANABINOLICO) 

O THCA não possui propriedade psicoativa, talvez por isso seja menos conhecido, mas pesquisas recentes começam a se aprofundar cada vez mais em suas propriedades que vem demonstrando maior valor medicinal. O THCA surge através da oxidação do THC (através do aquecimento da erva e da secagem das flores da cannabis), talvez por isso explique o porquê do uso da maconha ser mais comum através do fumo ou vaporização, o que gera aumento na concentração do THC.

Quer conhecer mais sobre os outros canabinóides?

Dê um salve nos comentários e abordaremos outros canabinóides e seus papéis que podem contribuir para melhora de seu estado mental ou físico!

Fontes: http://www.unitedpatientsgroup.com/blog/2014/04/11/thc-thca-cbd-cbn-the-chemicals-in-cannabis/
https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pmc/articles/PMC3570572/

Legalização x Criminalização

Legalização X Criminalização

Infográfico Legalização x Criminalização
Infográfico Legalização x Criminalização

Criminalização significa repressão ao uso de drogas e tem como ação principal o combate ao tráfico e todo o seu ecosistema. O sistema atual é um ciclo vicioso de violência, desperdício de dinheiro público e corrupção em todos os sentidos. Se já está comprovado através da história que as drogas sempre foram amplamente utilizadas desde os tempos mais remotos, por que então não admitimos de uma vez por todas que a guerra às drogas foi um fracasso? Que tal mudar de postura e em vez de tentar erradicar as drogas da face da terra, aprender a aceitar que o caminho talvez seja, não eliminar, mas conviver e respeitar.

Criminalizar gera preconceito, ignorância e desinformação. Quebrar tabus, e abrir (conscientizar) a cabeça das pessoas, tirando esse tema da marginalização, vai trazer benefício a todos. Temos que saber quais os pontos positivos, mas também todos os malefícios e efeitos colaterais do seu uso (Não podemos ser hipócritas e ignorantes em achar que a cannabis só faz bem). Quais são as doses certas? Fumar todo dia faz mal?

Para entendermos melhor esse infográfico, vamos tentar enxergar o lado daquele que se opõe à legalização. Se essa planta é tão versátil por conseguir criar e atuar em diversos mercados, estimular novas tecnologias, novos remédios para tratamento e alívio de sintomas e outros tantos benefícios, a pergunta a ser feita é: Por que ela é considerada ainda, e por muitos, algo criminalizado?

Desinformação é uma das respostas à essa pergunta e, por isso, queremos trazer informação e ampliar o debate sobre a utilização da maconha aqui no Brasil e no mundo. Ainda precisamos trabalhar muito para invertermos esse gráfico e acabar com esse ciclo nocivo de desinformação. Trazer luz à essa escuridão é um dos objetivos do Dr Banz e precisamos muito de você nesse debate.

Você é a favor da legalização ou da criminalização da maconha? Por que? A sua opinião vai contribuir para erradicarmos a desinformação. Queremos muito escutar você. Colabore 🙂

Banzai!

Uso medicinal da cannabis

Uso medicinal da cannabis

Num estudo científico realizado no Canadá em 2011, sobre o uso terapêutico da cannabis, foram observados características do Tetra Hidrocanabinol (THC) puro. Seus efeitos sobre uma gama de patologias levaram cientistas e médicos a observar mais cautelosamente sua performance.

Dentre as primeiras constatações, observou-se que o THC e uma série de análogos derivados do mesmo, possuíam efeitos terapêuticos benéficos e significativos no alívio de náuseas e vômitos nos pacientes com síndrome de emaciação. Isto é, em pacientes que: perdem mais de 10% de seu peso corpóreo ocasionados por uma série de motivos. Desde nutrição inapropriada, mal absorção, hiper metabolismo e até HIV.

Estudos mais recentes mostram seu potencial de efeitos analgésicos. E também contra a rigidez muscular que alguns pacientes podem apresentar, como sintomas de outras doenças. O efeito anticonvulsivante que o Canabidiol (CBD) apresenta, leva a crer que sua performance em estudos científicos futuros de maior porte pode de fato, esclarecer mais claramente como o CBD se comporta no organismo (farmacocinética) a longo prazo e a interação com outras drogas.

Futuro do uso medicinal da cannabis

Tudo nos leva a crer que, cannabinóides administrados de maneira oral, retal ou até mesmo parenteral são efetivos e livres de risco de doença inflamatória crônica das vias aéreas superiores. Estes, são associados (talvez) ao ato de fumar a planta propriamente dita. Pesquisas futuras provavelmente mostrarão que novos sintéticos análogos poderão isolar de maneira mais eficaz efeitos psicoativos indesejados, ao passo que são efeitos colaterais em alguns casos.

Certamente, outras características a serem melhor esclarecidas são novas formas de administração da cannabis. Como propriedades lipossolúveis (para administração nos olhos/glaucoma), aerosol para rápido efeito sistêmico sem os riscos da inalação de fumaça. Atualmente sabemos do processo de separação dos canabinnóides ativos (THC, CBD, CBN, THCA, dentre muitos outros). E consequentemente, quais as indicações mais apropriadas para cada um deles.

Enfim, procuramos cada vez maior evidência científica que possa amparar o uso. E quem sabe servir de base para a legalização de seu uso medicinal. Como já é feito em muitos países do mundo inteiro de maneira ordenada, segura e clara para todos.

Referência: Department of Pharmacology, University of Toronto and Centre for Addiction and Mental Health, Ontario

Shoulder Bag de Cânhamo do Dr. Banz

X
Add to cart