Canna Burgers Drinks

Canna Burgers Drinks

Canna Burgers Drinks é o primeiro restaurante da América do Sul a utilizar CBD em suas receitas.

As portas foram abertas em abril deste ano e certamente já não é mais possível contar quantos clientes passaram pelo estabelecimento. O restaurante fica em Montevideo, pertinho dos conhecidos letreiros, abre de Segunda à Sábado no horário mais paloso possível: 16h20.

O espaço oferece lanches para todos os gostos, inclusive para o veganos. Neste caso, o próprio hambúrguer é feito de cânhamo, enquanto o de origem animal é empanado com as sementes. As opções líquidas ficam, por enquanto, a cargo dos sucos de frutas que logo logo dividirão espaço com as cervejas regadas a CBD.

Além de proporcionar essa experiência gastronômica, o estabelecimento também se preocupa em informar aos clientes sobre o que está sendo consumido, por isso, as paredes do local são repletas de informações sobre o Canabidiol. De onde veio, como é extraído e o poder que a semente têm em nosso organismo.
Banner Stoned Collection Dr. Banz
Os clientes são bem diversificados, assim como os benefícios que o cânhamo traz para a nossa saúde. Muito estudos ainda estão por vir, mas já sabemos de sua importância em tratamentos de epilepsia, distúrbios psiquiátricos, inflamações e também como prevenção, fortalecendo nosso sistema imunológico, pele, cabelo e unhas.

Hambúrguer é sempre uma boa pedida pós-banza, mas quem aí já provou algum alimento diferenciado do famoso brigadeiro mágico?

Vai lá! Banzai!

Canna Burgers Drinks
Placido Ellauri 3369
Pocitos, Montevideo, Uruguay
+598 2623 3403
Instagram
Facebook

Dr Banz Viajando para o Museo del Cannabis

Viajando para o Museo del Cannabis

Pisar em solo normalizado já é diferente! Você se sente mais respeitado por sua opção de vida e certamente troca a preocupação por pensamentos mais saudáveis. E inclusive tem material suficiente para estudar e entender mais sobre o que gosta.

Cada um tem suas prioridades em uma viagem. Porém se a sua meta é economizar e de quebra ganhar um mini roteiro de como chegar ao Museo del Cannabis no Uruguai…

…continue lendo…

Caso você tenha entre 15 e 29 anos, aposte no ID Jovem! Busque saber se você se encaixa no perfil de beneficiário. Esse serviço te possibilita acesso aos benefícios de meia-entrada em eventos artístico/culturais e esportivos. Além de vagas gratuitas ou com desconto no sistema de transporte coletivo interestadual. Ou seja: com antecedência, de SP para POA, o valor de taxa fica R$ 9,69 (de acordo com a temporada). Sendo assim, descendo no ponto final – o Terminal Rodoviário da cidade – dirija-se para um dos guichês ou compre online uma passagem para Chuy.

DICA: Caso você opte pela empresa Planalto (R$ 148,00 a R$ 223,00) há uma sala de espera com Wi-Fi e banheiros disponíveis. Isso porque para utilizar os toaletes da Rodoviária deve-se pagar R$ 3,50, logo, de acordo com o seu tempo de espera talvez seja mais viável incluir no valor de diferença da passagem e chegar a um resultado final escolhendo o que é melhor pra você no momento.
Banner Stoned Collection Dr. Banz
Na cidade de Chuy o que separa o Uruguai do Brasil é uma avenida. Atravessando-a é possível comprar sua passagem para Montevideo, que fica no valor de $760 pesos (R$ 87,30 reais). É tranquilo ir andando até o Museo. Use o Wi-Fi do ônibus antes de sair e carregue no App Maps para saber por onde deve seguir. Mas já adianto que é só seguir uma avenida.

O Museo del Cannabis

Chegando no Museo a entrada sai por $200 pesos (R$ 23,00) e não há validade. Você pode tanto voltar para rever as informações cannábicas quanto para desfrutar do bar que também existe ali no espaço.

No total o gasto fica em torno de R$ 268,00 já com a entrada do Museo. No entanto, se você não se enquadrar no Sistema ID Jovem, a passagem de São Paulo direto para Montevideo de ônibus custa de R$ 530 a R$ 700,00.

Enfim, no Museo é possível ver grandes plantas de cannabis, tipos diferentes de cultivo, tocar em materiais de origem do cânhamo… e se sentir transformado por uma onda de informações!

Quem já tem uma viagem assim programada?

Banzai!

Dr Banz - Como comprar cannabis no Uruguai

Como comprar cannabis no Uruguai

A grama do vizinho (no Uruguai) só é verde para os regulamentados!

Já sabemos que em dezembro de 2013 o cultivo, produção e venda da cannabis foi aprovado no Uruguai – tornando o país pioneiro na regulamentação. Desde então o território ficou em foco para quem sempre quis torrar um em solo legalizado, e o que também impulsiona essa viagem é o valor do peso uruguaio… principalmente para os brasileiros.

Mas a grama do vizinho, embora seja verde, não é para qualquer um. As leis não se aplicam aos turistas, ou seja, os viajantes podem consumir, mas não podem comprar. Os uruguaios ou residentes permanentes podem escolher entre estas três opções para o consumo da cannabis:

1. Fazer parte de um Clube Canábico

Nesse caso é pago uma taxa mensal diretamente ao Clube de sua escolha que te garante de fato, a qualidade da planta e a diversidade de strains para consumo. Lembrando que são sempre 40 gramas mensais.

2. Plantar em casa

Pode-se cultivar 6 pés legalmente em casa, porém o cuidado com a qualidade é mais intenso já que o plantio requer cuidados e estudos aprofundados sobre a planta.

3. Comprar em farmácia
Banner Stoned Collection Dr. Banz
A compra é relativamente tranquila. Mas o que provavelmente impede é a quantidade que chega às farmácias. Além de não ter uma a cada esquina, se você morar em locais mais afastados terá que se organizar e chegar bem cedinho em dia de reposição. Cada grama custa U$ 1,30 dólares.

Depois da escolha ser feita é necessário realizar um cadastro no correio para que você seja inserido no sistema. O que não é permitido é que você faça parte das três opções, somente de uma.

Enfim, e você, banzer… já teve a sensação de fumar livremente na rua?

Banzai!

Dr Banz - Chef Weed House

Chef Weed House: Um capixaba no Uruguai

  • Dr Banz - Chef Weed House

Dois países, dois amores e inúmeras combinações de aromas, gostos e texturas.

Foi com esse apetite que nasceu o projeto Chef Weed House criado por Gustavo Colombeck.

Já pensou em comer um brownie feito com manteiga ou óleo de coco canábico? E saber a quantidade de THC ou como realmente foi feito, será que também pensamos nisso? O conhecimento obtido pelo capixaba Colombeck sobre a gastronomia legalizada o levou a explorar os cuidados que se deve ter ao manusear as substâncias da erva com alimentos.

“Cada planta da Cannabis tem uma porcentagem de THC e CBD diferentes. Vejo muito na internet dizendo que pode colocar a quantidade que quiser, mas pra alguém que não está acostumado pode ser a mesma vibe psicodélica de um LSD”, explica o Chef.

E se engana quem imagina que uma alimentação com THC é somente por pura diversão. De fato, dentre várias formas de redução de danos sobre o consumo da Cannabis, temos o modo de ingestão por meio de alimentos. Ele auxilia pacientes a usufruir seus benefícios – principalmente não usuários da ganja. Para utilizar as substâncias psicoativas e o canabidiol em receitas também é necessário um estudo sobre a temperatura adequada.

“Tudo depende do processo de descarboxilação, da planta e do que você quer extrair”, conta Gustavo – que teve dificuldades no início da pesquisa, pois só encontrava informações em demais línguas.

Shoulder Bag de Cânhamo do Dr. Banz

O menu

Macarons, bruschetta, nhoque e até tempurá feito com a folha da Cannabis estão inclusos no portfólio do Chef Colombeck. Mas o título de prato preferido fica para as criações que se inspiram no próprio momento. Tudo que é novo o cativa, “Ao invés de utilizar terpenos, prefiro infusionar a espécie Grapefruit no leite e assim fazer um sorvete de uva com THC ao invés de só contar com o aroma dos terpenos”, conta Colombeck.

A busca por esses conhecimentos o fizeram passar por livros como “Honesta Voluptate Et Valetudine” escrito pelo italiano Bartolomeo Sacchi. E támbem o “La cocina de la Marijuana”, por Tom Flowers. Mas toda essa ideia começou a ser construída dois anos atrás. Quando um maconheiro formado em gastronomia se lançou em terras uruguaias vendendo alfajor canábico. E hoje o projeto atende a demanda de clientes do Chile, Argentina e Brasil. Realizando os jantares em seu próprio espaço no Uruguai, dias específicos em restaurantes ou no conforto da casa do contratante.

E não para por aí, há surpresas que serão divulgadas para o segundo semestre de 2019, já pensou em aprender um pouco sobre culinária canábica?

Banzai!

Turismo cannábico - Conheça 5 picos abençoados por Jah

Turismo cannábico: Conheça 5 picos abençoados por Jah

Salve Banzers Viajantes Amantes do Turismo!

Preparados para fazer as malas para um turismo cannábico?

Agências especializadas oferecem pacotes para países onde a legalização já aconteceu. E certamente todo dólar ou euro cannábico é muito bem-vindo para o mercado local! Além de inúmeros estados americanos onde a legalização (seja ela para fins medicinais ou sociais/recreativos), você ainda pode escolher o super trend Canadá, o pioneiro Uruguay, e logo mais novos destinos prestes a integrar essa lista!

México, Colômbia, Jamaica (já pensou numa trip cannábica para a JAH-MAKE-YA?!?) e do lado europeu, a República Tcheca, Espanha, Portugal se juntaram à abençoada Holanda e de fato descriminalizaram o uso da maconha.

Mas lembre-se que as leis e regulamentações são diferentes em todos os lugares! Acender um banza na rua, no Colorado/ EUA (onde a ganja é legalizada), ainda dá uma multa de U$ 999 !!! O custo é realmente ardido. Mas é sempre importante saber o que existe por aí e conhecer qual nível de evolução e lucro que esse segmento da economia gera. E nós estamos certamente perdendo tempo!

Vamos conhecer 5 “viagens” sensacionais?

01) Primeiramente, você precisa saber que ao lado das montanhas nevadas do Colorado existem hotéis que recebem e tem toda estadia voltada para o conforto do hóspede maconheiro! O Nativ Hotel, o B&B Adagio e o Bud and Breakfast, são os mais recomendados pelo Air Bnb!

02) Lugares que ainda não tiveram a legalização, como Londres, oferecem seu rolê cannábico também! Uma organização chamada London Cannabis Club, organiza reuniões e eventos onde a maconha é ingrediente de muitos pratos de um jantar exclusivo! Entidades como essa são extremamente atuantes no ativismo e prestigiar isso não tem fronteira!

03) Barcelona já é conhecida como a nova Amsterdam! Talvez pelo fato de abrigar mais de 350 clubes cannábicos!!! Os clubes são members only, portanto nem adianta “colar na grade”… mas calma! Organizações pró-cannabis como a Cannabis Barcelona, fazem um corre e preparam um guia de informação para tudo o que você precisa saber para sua session na Cataluña!

04) Na Colômbia e no México a maconha é descriminalizada, mas não existem dispensários ou clubes cannábicos. Eu duvido você, banzer brazuca ligeiro, sair no corre e voltar de mãos vazias na Colômbia ou em qualquer lugar?

05) Agora imagina essa: cabanas nas florestas temperadas de Homer, no Alaska! Todas as cabanas são equipadas com terraço para aquela vela noturna, bongs, vaporizadores e welcome kit em cima do travesseiro com balinhas de goma de CBD para já começar animado!

Banner Stoned Collection Dr. Banz

Concluindo

Agora imagine quanto dinheiro esse tipo de turismo movimentaria no Brasil? Tantos picos maravilhosos, natureza cheia de energia, cachoeiras, rios… quantos lugares como esses que nós já tivemos a oportunidade de conhecer e brisar tranquilamente?

Garanto que hóspedes não iam faltar, a economia local seria turbinada, empregos seriam gerados e muita gente feliz se encontraria por essa terra de Jah!

Banzai!

Fonte

Dr Banz Expo Cannabis Uruguay 2018

Expo Cannabis Uruguay 2018

  • Dr Banz Expo Cannabis Uruguay 2018

Hola, Banzers!

Nos dias 07, 08 e 09 de Dezembro estivemos na Expo Cannabis Uruguay. O evento internacional mais importante do mercado da cannabis no país, que realizou a sua 5ª edição em Montevideo.

A Expo Cannabis é principalmente uma plataforma de informação sobre a cannabis medicinal, terapêutica e industrial. Com o intuito de ampliar os conhecimentos sobre os diferentes usos desta planta, colaborando para o desenvolvimento de um novo setor industrial dinâmico e profissional. A feira foi um ponto de encontro entre o setor público, as organizações sociais, empresas, a comunidade cannabica e os banzers curiosos que fazem uso recreativo também.

O evento contou com diversos expositores uruguaios, brasileiros e internacionais. Vimos headshops, growshops, prensas de rosin, roupas e acessórios de moda e instituições, num ambiente bem descontraído. Na parte interna do pavilhão, uma feira bem organizada e profissional, na parte externa um auditório com diversas palestras, shows musicais, food trucks, gramadão pra curtir as good vibes e algumas marcas realizando ações para interagir com o público.

O que percebemos é que esse evento foi bem focado no uso medicinal da cannabis. E também nos pequenos growers, com muita informação sobre cultivo e como ser auto-sustentável. Dos expositores brasileiros, tivemos a honra de prestigiar os stands da Squadafum, Growroom, Hempadão, Papelito (que ganhou o prêmio de melhor stand!), Cifal Distribuidora c/ Puff, Kings, Black Trunk, Bem Bolado e nos perdoem se esquecemos de alguém!

O futuro da Expo Cannabis

A Expo Cannabis ainda tem, de fato, muito para crescer nos próximos anos. Principalmente se o Brasil e outros países conquistarem a legalização também. Empresas estão investindo e passarão a investir cada vez mais nesse mercado, que tem um potencial enorme! E se tudo for bem feito e bem planejado de forma profissional, certamente ninguém segura o cannabis business !!!

Aproveitamos a viagem para conhecer o país que já legalizou a cannabis e passou a comercializar a erva em farmácias desde 2017. Pudemos conhecer alguns grows, clubes cannábicos, o Museo del Cannabis e fomos tentar comprar em uma farmácia … mas adivinhem só: não tinha no estoque! Surpreendentemente, esse é um problema que o país ainda está enfrentando: a falta de cannabis nas farmácias autorizadas. Mas conseguimos fazer o mais importante: fumar maconha legalizada na rua, sem sermos incomodados e sem medo de repressão da polícia ou da sociedade. Crazy!

Hasta la vista, hermanos! Banzai!

Shoulder Bag de Cânhamo do Dr. Banz

Como está o cenário pós-legalização no Uruguai

Uruguai. Como está o cenário pós-legalização

Hola, Banzers!
Em breve teremos a 5ª edição da Expo Cannabis Uruguay (www.expocannabis.uy), o maior encontro cannábico da América do Sul (07-09 Dez 2018) e obviamente a galera do Doctor Banz estará lá! Vamos saber como está o cenário pós-legalização no primeiro país do mundo a tomar essa decisão? O Uruguai legalizou o consumo medicinal e social da Cannabis em 2013 e ainda enfrenta algumas dificuldades no processo.

Mas não está com pressa alguma, pois quer fazer a coisa da maneira certa! O governo coordena a dispensação (com rédea curta, para transmitir à população e ao mundo a ideia do controle). Surpreendentemente, são 14 farmácias que podem praticar a venda de maneira legalizada.

Mas quais as regras para comprar cannabis no Uruguai?

– As farmácias funcionam como ponto de venda de cannabis cultivadas por duas empresas autorizadas, a Symbiosis e a Iccorp;
– Cada consumidor (cadastrado e registrado) pode adquirir até 40g mensalmente;
– Hoje no Uruguai estão registrados quase 25.000 pacientes/usuários;
40- Apenas residentes podem se cadastrar, não há venda legalizada para turistas.

Dificuldades da legalização

– O grande problema é que boa parte da economia uruguaia opera em US$ e essas operações financeiras são feitas por bancos americanos.
– De acordo com as leis daquele país, bancos são proibidos de oferecer contas a negócios que tenham vínculos com cultivo, importação, exportação, distribuição e/ou venda de substâncias controladas;
– Os grandes bancos americanos orientaram suas filiais uruguaias a encerrar qualquer conta com empresas deste perfil;
– Essa situação exige que as farmácias uruguaias operam única e exclusivamente em dinheiro vivo, o que acaba intimidando novos entrantes nesse negócio.

Novos rumos e perspectivas no Uruguai

– Se houvessem farmácias ou dispensários num número maior para atender a demanda reprimida, inegavelmente haveria falta de cannabis no país;
– Residentes podem se registrar como “homegrowers” (cultivadores), ou formar “grow clubs” (clubes de cultivo), onde recebem a permissão de cultivar 480g por integrante ao ano. Mas não podem vender para farmácias;
– Ao menos 55% dos usuários estão consumindo cannabis legalizada, entretanto, esse percentual vem crescendo gradativamente;
– O governo controla o preço da cannabis e estipulou à US$ 1,40 (aproximadamente R$ 5,50) por grama, um pouco abaixo do encontrado no mercado ilegal, justamente para enfraquecê-lo.

Em linhas gerais, o modelo uruguaio vem andando bem. Ajustes precisam ser feitos, mas não foi o fim do mundo como muitos proibicionistas prometiam!

Os especialistas concluem que os primeiros sinais da legalização no Uruguai são positivos. E eventualmente, o problema dos bancos tende a ser resolvido conforme a operação financeira das farmácias com bancos canadenses avançam. É a oportunidade do renascimento e principalmente, o fortalecimento da economia uruguaia!

Agora fica a pergunta: Até quando vamos observar os vizinhos evoluindo em suas políticas de drogas e nós presos ao preconceito, cultura retrógrada e hipocrisia inútil?

Banzai!

Shoulder Bag de Cânhamo do Dr. Banz

Os 5 países com políticas de drogas mais promissoras das Américas

Os 5 países com políticas de drogas mais promissoras das Américas

Enquanto vivemos as patinadas da política brasileira em relação às drogas, outros países se movimentam (rapidamente!) em direção ao esclarecimento, conscientização e educação necessários para a legalização da maconha.

Que tal aprendermos com quem está fazendo bem e direito?

O Instituto Igarapé é um think tank independente, focado na Política de Drogas e Segurança. Seu objetivo é propor soluções inovadoras a desafios sociais complexos, por meio de pesquisas, novas tecnologias, influência em políticas públicas e articulação. Com base em seus estudos, listaram os 5 países com políticas de regulamentação de drogas mais progressistas do continente americano, vamos conhecê-los?

Uruguai

Foi o primeiro país do mundo a legalizar a maconha em nível federal (2013). Mesmo assim ainda enfrenta dificuldades estruturais, já que os distribuidores legais de maconha constantemente passam por desabastecimento. Dessa forma, acaba forçando os consumidores a buscarem o mercado informal.

Canadá

Fez história sendo o primeiro país membro do G7 a legalizar a maconha em nível federal. A lei entrou em vigor, a legalização aconteceu, os altos volumes financeiros continuam a subir e muitos aspectos (e ajustes) estão sendo observados por muitos outros países ao redor do mundo. A dúvida é: será que o Canadá vai efetivar suas promessas pré legalização como reduzir o acesso da cannabis aos jovens e manter consumidores afastados do mercado negro?

EUA

Atualmente dentre os 50 estados americanos, 30 possuem alguma forma de lei sobre a cannabis medicinal em seus autos. Nem o Congresso e muito menos o presidente Donald Trump legalizaram a nível federal a utilização da cannabis. Mas existe um número grande projetos circulando para votação no Congresso.

Colômbia

Sempre foi uma das líderes em testar novos approaches quanto a política de drogas. O país sofreu demais com a violência resultante do tráfico e nessa época a proibição não ajudou. Em 1994 a Colômbia tornou inconstitucional a criminalização do consumo de qualquer droga.

Chile

Em 2013 o governo chileno reconheceu os efeitos medicinais da cannabis. Em 2017 os chilenos podem cultivar até 6 plantas por residência e portar até 10 gramas de cannabis para consumo. Desde que tenham uma prescrição médica. De acordo uma publicação do Marijuana Business Daily, o Chile é um dos países com os maiores índices per capta de consumo de cannabis nas Américas.

Observando a realidade de quem está mais preparado (em todos os aspectos possíveis!) para uma legalização da cannabis e na reforma de sua política de drogas é que percebemos o abismo que nos distancia de todos eles. Ou seja, precisamos continuar debatendo sobre o assunto para não ficarmos para trás!

Conscientização, queridos banzers! Ela é a chave para levarmos informação a todos. Com a finalidade de fazermos que nossa causa seja encarada como séria, justa, necessária e vital. Para os amigos do uso medicinal e social da cannabis!

Banzai!

Shoulder Bag de Cânhamo do Dr. Banz

X
Add to cart